domingo, 4 de dezembro de 2011

O Discurso

Era véspera de eleições e os candidatos estavam com seus discursos decorados. O primeiro a discursar era o Papagaio. Enquanto ele se preparava os macaquinhos ajeitavam as câmeras, os microfones e toda sorte de equipamento preciso. Estava uma verdadeira macaquice, só o Papagaio esbanjava glamour.

- Tudo pronto senhor. – Disse o macaco diretor em macaques, o candidato que tentava ser reeleito da bicharada não entendia a língua, mas decifrou o movimento.

Num discurso decorado ele virou-se para a câmera e com sua voz de taquara rachada se pôs a falar.

- “A sorte do ditador é que o povo é burro.” – Disse, citando Hitler, contudo ninguém entendia, pois ele era o único a dominar aquela língua estranha. O que bastava para que os seus eleitores o aclamassem. Na verdade não havia eleição, só os bichinhos pensavam ter.

Bem... Assim é o humano que acredita na democracia.


quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Metades

Metade cheio, metade vazio. 
Metade poema, metade poesia. 
Metade conto, metade verso. 
Metade crônica, metade prosa. 
Metade gramática, metade literatura  
Metade homem, metade menino. 
Tudo o que vejo é só metade, 
Tudo o que sinto é por inteiro. 
Aonde chego é só o fim, 
E nem sempre justifica os meios. 
Entre tantas metades e inteiros, 
Eu não reconheço mais o rosto que vejo no espelho.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

O Clube dos Anjos

Livro de Luis Fernando Verissimo, O Clube dos Anjos faz parte da coleção Plenos Pecados, da editora Objetiva. Verissimo ficou [ou escolheu a] com a gula, e fez um mistério, talvez um romance policial.

“Não é todo dia que se quer ouvir uma crocante fuga de Bach, ou amar uma suculenta mulher, mas todos os dias se quer comer. A fome é o único desejo reincidente, pois a visão acaba, a audição acaba, o sexo acaba, o poder acaba – mas a fome continua.”

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Despedida

Era apenas uma manhã de segunda feira comum, mas ele não estava animado o suficiente pra reclamar da segunda ou da semana (de trabalho) que estava para se iniciar. Não tinha ido estudar e com isso ganhara a manhã livre, coisa que ele gostava demais. Sem mesmo abrir a janela para ver o sol ele se muniu de um café e foi ligar a TV para ver os desastres no noticiário. Após o jornal matinal, nada mais natural que ir para o computador, checar e-mails e coisas banais, dar um oi para os amigos da web e logo buscar por algo pra ler e uma boa música.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Escrever e não Twittar

Acontecia como se fosse um ritual. Ele preparava sua xícara de café e se dirigia para frente de seu notebook. Após beber um pouco, depositava o café ao lado. Abria o documento do Word, primeira mudança era colocar a fonte Courier New; a segunda esconder a barra de tarefas. Era o mais próximo que ele chegava de uma máquina de escrever. Gostava dessa proximidade. Colocava alguns livros ao lado, comumente algo de Kafka, Bukowski e Stieg Larsson. Tinha ao seu alcance um bloco de anotações onde carregava suas ideias, duas canetas uma preta a outra vermelha. O rádio sintonizava em alguma frequência que tocasse Bach, ou musica erudita. Por fim um marcado de texto.

Digitava: “Escrever em forma de oração.”

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Lô Borges para sexta feira

Como tem muito tempo que a galera aqui não recomenda nada de legal, a gente anda meio em falta com resenha de algum filme, disco ou livro resolvi usar o método que eu usei uma vez. Uma música para curtir esse final de semana, mas curtir mesmo de parar pra escutar e viajar na letra. 

                     Lô Borges - Quem sabe isso quer dizer amor


Eu escutei essa música na rádio pela primeira vez em um ônibus, era uma manhã de pouco sol, estava indo estudar e ela não saiu mais da minha cabeça. Conheço pouco de Lô Borges, mas essa música é fenomenal e recomendo a vocês que tirem um tempinho para aproveitarem ela. 
Até a próxima pessoal, espero que em outra oportunidade possamos voltar com as resenhas aqui pra vocês.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Pensar dói?

Algumas vezes pelas "andanças pela internet afora" geralmente encontro textos  bem interessantes, alguns compartilho no twitter ou no facebook, mas alguns gosto de colocar aqui e registrar, como é o caso desse texto que li faz um tempo na Carta Capital.

"Em texto publicado no New York Times, Neal Gabler, da Universidade do Sul da Califórnia, argumenta que vivemos em uma sociedade na qual ter informações tornou-se mais importante do que pensar: uma era pós-ideias. Gabler é o autor, entre outras obras, de Vida, o Filme (Companhia das Letras), no qual afirma que, durante décadas de bombardeio pelos meios de comunicação, a distinção entre ficção e realidade foi sendo abolida. O livro tem o significativo subtítulo: Como o entretenimento conquistou a realidade.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Sonhos, Clichês e Uísque


Ideais embalados e guardados na mesma estante onde ficam os sonhos que são deixados para depois, não que se esteja desistindo, mas que a principio não se pode realizar. Assim como os planos, os sonhos têm momentos que ficam mais fáceis de tornar realidade. Na estante cabia um frasco perigoso chamado esperança, a qual muitos atribuem como a maior de todas as dores e o maior castigo de Deus.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Sobre o mito da caverna de Platão

Para quebrar esse hiato de posts por aqui no blog, vou postar parte de um trabalho de filosofia que fiz há exatamente um ano atrás. Ficou meio ruim, mas já serve para fazer quem ler pensar nem que seja só por uns instantes sobre o assunto.


Todo grande gênio quando lançou suas ideias inovadoras também foi chamado de louco e punido por ir contra tudo o que era verdade na época, só consultar a história para constatar isso. O mito representa de certa forma a sociedade, estamos todos acorrentados às leis antigas, todos muito acomodados para sair em novas buscas. Estamos todos conformados com o que já sabemos, acorrentados, assim como os personagens do mito. Quando algum indivíduo se levanta e resolve ir atrás de novos elementos, novas verdades ou qualquer coisa que quebre a rotina, todos o chamam de louco. Acredito que hoje em dia a perseguição não chega ao extremo de matar, como foi falado no texto, e que já ocorreu anteriormente. Mas chamamos de louco os que o pensamento se diferencia do nosso, chamamos de louco aquele quem vive de forma diferente dos demais.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Sobre ser homem

            Sem duvida nascer homem é a melhor coisa que pode acontecer a um ser vivo. Antes que você comece a falar mal pra caramba, peço que tente olhar como eu. Vamos analisar calmamente, na verdade eu vou analisar segundo o meu ponto de vista, que certamente é diferente de muita gente.

            Homens são seres simples (de um modo geral), na infância a paixão é o futebol, na adolescência é a vizinha e quando mais velho aquela garotinha de dezenove anos. Na juventude o que interessa é a balada e um carro legal, as mulheres que você consegue em geral são jovens também e são em maioria bonitas. Quando você é jovem provavelmente você não tem uma barriga enorme de chope, ainda consegue correr e joga bola sem medo de infarto. Agora quando envelhece, tudo isso chega e te incomoda às vezes, mas não tem ânimo para mudar a situação.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

#ODiaPelaIndependência

“Nós Não Perdoamos, Nós Não Nos Esquecemos.”
         O manifesto ocorreu em meio à comemoração da independência do Brasil. Muitos foram os que sairam para comemorar, ver desfiles, ou os aviões em suas manobras. Tantos outros foram às ruas para protestar contra a corrupção; o evento aconteceu em várias cidades, ele se trata da segunda fase do “The Plan” promovido pelo grupo Anonymous.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O dia Pela Independência

Semana passada foi comemorado (?) por alguns o dia da Independência do Brasil. Um belo feriado no meio da semana, muitos descansaram, viajaram, mas outros foram a luta, foram mostrar que o chamado “ativismo de sofá” está quebrando as barreiras da sala e chegando as ruas. Se não sabe do que está ocorrendo está na hora de se inteirar um pouco.

sábado, 10 de setembro de 2011

Música para curtir

Bem, geralmente rolava uma recomendação quinzenal aqui, mas como a vida do pessoal aqui anda corrida (vestibular) estamos em falta com essas recomendações. Para não passar batido, segue a baixo a recomendação de uma música que escutei várias e várias vezes, a letra é boa e é banda nacional, curte ai

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Estranho no “paraíso” II

Depois de dois bilhões de anos eu estou escrevendo mais uma vez e se você está me achando um retardado, parabéns você está certíssimo. Até eu me acho um retardado em estar escrevendo novamente sobre isso, mas me peguei em uma situação onde achei que seria legal escrever sobre este assunto novamente, levando em conta que ultimamente me sinto estranho em todos os lugares e sinceramente eu não sei o por quê até agora. Enfim eu sou um estranho e ficarei assim em todos os lugares com toda certeza, porém ando com o botão “foda-se” ligado e realmente não ligo mais para o que as pessoas pensam sobre mim nesses ambientes, o que mais me intriga é o que essas pessoas fazem nesses ambientes.

sábado, 3 de setembro de 2011

Conversa de ônibus


A perfeita história de amor começa desastradamente, sem saber o que ela é de verdade. Ela tropeça, dá com a cara no chão, cambaleia até se firmar. O firmamento pode demorar instantes, dias, uma eternidade ou pode acabar sem saber o propósito da sua existência. Mas nada impede de outra história começar.
Numa terça-feira, lá pelas quatro e tantas da tarde, começou a chover. A expectativa de qualquer casal querendo passear no dia dos namorados foi à ruína, mas Bruno ficou ouvindo música no banco da rodoviária. Deixou a barba crescer por cinco dias e ela começava a coçar: O que detestava era ver seu bigode ralo, mais parecendo um busso, crescendo nos cantos da boca. Um boné para esconder os resquícios de entradas de um cabelo mal penteado e óculos escuros, devido à vermelhidão que impregnou em seus olhos depois de vários dias mal dormidos. Com um café reforçado preparado pela prima vinte anos mais velha que ele, uma tia-prima, conseguiu sair da cama no horário para apanhar o ônibus que o levaria até a cidade que morava.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Devaneios contínuos


Depois de indas e vindas, começos e re-começos
Eu por fim perdi e quando admiti isso venci
Todo o medo, a insegurança e os sorrisos se foram
Aquele aperto continua, o coração ainda reclama
Ele está como um cão, quando vê se sobressalta
Começa a pulsar em ritmo acelerado, mesmo acorrentado
As cicatrizes recentes ficam indecisas, e por um instante
as amarras fraquejam e o coração quase se solta
Ai vem o cérebro, racionalizando tudo, com um olhar veemente
Olha para o coração que se ainda pulsa acelerado e diz
Calma garoto, calma
A dor continua mas passa, volte a se aquietar
e magicamente tudo vai voltando a sua velocidade normal
O aperto no peito ainda é presente, a angústia
Mas com a mente é possível sorrir novamente
Mesmo que uma fresta apenas, um sorriso de nervosismo
Já começa a perceber que tudo se foi, é apenas o fim
E todos aqueles bons momentos que existiram cabe a mente decidir
Alguns o tempo leva, outros ficam no alto de estantes empoeiradas na mente
No fim, dói cada vez menos, o cérebro faz bem seu papel e protege
Vai diminuindo a intensidade, vai matando o sentimento
E no final já é possível caminhar sem medo
Talvez isso seja a vida, sequência de dores com alegria
Talvez isso seja uma ilusão, apenas devaneios
Mas no final tudo se ajeita, de um jeito ou de outro
e para consolação sobram as palavras que amontoam-se formando frases
e em algum lugar se vê Nelson Rodrigues dizendo
"Todo amor é eterno, se não é eterno, não era amor."

"Um dia desses, num desses encontros casuais, talvez a gente se encontre, talvez a gente encontre explicação..."

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

No Mundo Se Acostuma

Não importa como nem quando, o certo é que se não está ficará na merda. Se tivesse que apostar nisso ao invés da mega sena estaria fadado a ser um milionário. Veja bem: hoje você tem força no grito, mas o que faz senão sentar seu traseiro frente a um PC, ou na cadeira de um bar para discutir sobre futebol, talvez sobre a porra da novela que imita o filme. Alguns vão entender isso. Como se não bastasse “a vida imitar o filme” a novela também copia, e agora TODOS COPIAM. Tem coisas que não mudam outras que não deveriam mudar, mas caiem nesse erro.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

A Dança da Destruição

Ele se olhava no espelho, abatido via o reflexo da derrota.

Era um jovem comum que não pensava na morte, apenas respirava a vida, esquecendo que o ato de viver é uma faca de dois gumes. – O que dá prazer te destrói, o que não dá também. Não importa o que faça será destruído. – Essa era – a dança da destruição.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Ecos da Cidade Perdida

De cada canto da cidade vem um som
Cada cada canto um grito de agonia, chamando socorro
Mas a cidade  fria nada escuta, sombria
Um dia isso aqui já foi um bom lugar

domingo, 14 de agosto de 2011

Gritos de uma noite triste


Então no final é isso, você é abatido e até suas pernas mal te respondem. Você coloca a música no volume mais alto para não ouvir seus pensamentos te acusando de tolo, te jogando na cara que todas as dúvidas que você se recusou a ter eram sinais de algo que você não queria.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Argumentos se inventam


Sentia-se velho para escrever, pensava já ter passado da fase de brincar com as palavras. Desde jovem se apaixonara pelas palavras, e do que elas faziam com os humanos. Afinal foram de misto de atitude e frases ditas que se ergueu a história. 

Fazia tempo que ele não ouvia aquela canção que dizia “pouco a pouco... você tem que abrir mão de tudo na sua vida.” Não queria concordar com essa verdade que era nua e não vestida nem tão pouco travestida. Ali estava ele quase que abrindo mão do que escrevia.
 

sábado, 30 de julho de 2011

Cartas de Jack Boy

Aqui é escuro, frio e não se escuta nada além da própria respiração, que cada vez é mais forçada, a vida está se despedindo de mim, sussurrando demoradamente palavras que não consigo compreender.  Durante muito tempo permaneci calado, quieto e tentando entender, tentando achar alguma lógica e sentido nisso que chamam de vida, mas desisti. Entreguei-me, tentei ser normal e vi como é vil a humanidade, sofri as consequências de minha insensatez, deixaram marcas para não mais me esquecer.

domingo, 24 de julho de 2011

Meu filho, você não merece nada

A crença de que a felicidade é um direito tem tornado despreparada a geração mais preparada
imagem retirada do google
Ao conviver com os bem mais jovens, com aqueles que se tornaram adultos há pouco e com aqueles que estão tateando para virar gente grande, percebo que estamos diante da geração mais preparada – e, ao mesmo tempo, da mais despreparada. Preparada do ponto de vista das habilidades, despreparada porque não sabe lidar com frustrações. Preparada porque é capaz de usar as ferramentas da tecnologia, despreparada porque despreza o esforço. Preparada porque conhece o mundo em viagens protegidas, despreparada porque desconhece a fragilidade da matéria da vida. E por tudo isso sofre, sofre muito, porque foi ensinada a acreditar que nasceu com o patrimônio da felicidade. E não foi ensinada a criar a partir da dor.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

O Relógio Transformou o Tempo em Mercadoria

O homem fabricou a principal arma de sua escravidão atual. O relógio vem mostrando com o movimentar dos seus ponteiros, o quanto somos estúpidos. Antigamente tudo em relação ao tempo era natural, a escuridão ditava o sono assim como a claridade anunciava um novo dia. O homem não tratara de procurar exatidão, apenas deixava acontecer.

“O relógio representa um elemento de ditadura mecânica na vida do homem moderno...”

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Matemática no Boteco

Não poderia deixar de ser diferente. Não é apenas no trabalho que ninguém quer nada com nada na sexta feira, nos estudos é a mesmíssima coisa, pra pior. Salvas as exceções o papinho é o mesmo. – “Professor, pega leve hoje é sexta feita.” ou “Professor, vem com nós no intervalo para o bar?” – E por aí vão os inúmeros jeitos de tentar passar a perna no professor, que não é bobo nada, saca fácil qual é.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Formidável Mundo Cão


O que seria um “Formidável Mundo Cão”? Confesso que nunca havia escutado essa expressão, e nem sei se já escutaram á mesma alguma vez. A primeira vez que ouvi sobre foi em uma conversa com o meu primo (@kun_willian) á mais de um ano atrás, falávamos sobre um compositor ou podemos dizer um poeta da nova geração da música brasileira, que atende pelo nome Jay Vaquer. Já conhecia o trabalho desse belo músico e desde que escutei um cd virei um “fã”. Enquanto conversamos meu primo começou a me dizer sobre o novo álbum de Jay Vaquer que se chamava Formidável Mundo Cão, e é claro encheu o álbum de elogios o que era esperado com toda certeza. Na curiosidade de ser um louco apaixonado pelas letras de JV fui escutar o disco e não me arrependo.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

O mascarado Polêmico

            Já falei aqui anteriormente que a internet criou uma geração de covardes e tal, mas hoje mostro um pouco do outro lado da moeda, mostro o poder que a internet tem de espalhar idéias e de juntar pessoas com a mesma convicção, com o mesmo ideal.
   

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Um Mês Qualquer

Entregue a uma garrafa de vodka, antes era servida no copo mista de refrigerante, agora o gosto pouco importava o que se misturava e se confundia dentro de si era seus sentimentos.
O choro o acompanhava, o álcool era responsável por seu desabafo, mesmo que ninguém ouvisse. Estava acabado, o chão era o que o recepcionava, pois ele se encontrava jogado, bêbado, e angustiado. Às vezes ria alto e parecia alegre, mas não, eram apenas lembranças dos bons momentos os quais nunca mais teriam, não com aquela mulher. Tão logo se rendia, delirava, seus lábios tremiam. Quem o visse assim não o reconheceria, sempre tão solido e sóbrio.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Zodíaco

                  E chegada mais uma sexta feira, na verdade essa não é somente mais uma sexta-feira, é a primeira sexta-feira do mês. Galera sem grana, outros com grana mas enfim, o fato é que percebendo que não tenho grana pra sair e tenho uma postagem pra fazer me recorro sempre aos bons filmes para a minha diversão, e para eu recomendar para vocês.  Meu olho se recai no dvd do ZODÍACO. Isso amigos, mas não é do Cavaleiros do Zodíaco, é só Zodíaco mesmo, um filme de David Fincher.

domingo, 26 de junho de 2011

ANONYMOUS

É fora de o nosso contexto pregar algo sobre o sistema, mas que hora melhor do que essa para dizer que “o sistema é foda”, senão com essa onda de revoluções por todo mundo?

Sempre fui contra o que dizem do povo brasileiro que é um bando de acomodado, só discordo disso por ser uma das pessoas desse país. Do contrário pensaria o mesmo; mas claro, há suas exceções e são muitos os que lutam por algum ideal dado como morto.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Uma geração de opostos

               A maioria das pessoas que me conhecem pessoalmente sabe que não sou o maior exemplo de altruísmo e seja lá o que for, enfim sabem que não sou um exemplo de ser humano para ser seguido, mas no fundo não sou de todo mal, às vezes tenho a impressão que sou até melhor do que as pessoas merecem, mas esse texto não se trata de como eu sou legal, e sim de como essa geração é uma geração de opostos.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Breve Memorial

A custo de risos e deboches lhe escrevo. Penso que não adianta ser poeta e ficar escondido, omitindo o dom de amar. Acho que primeiro irá rir debochando mesmo, por desacreditar que escrevi. Depois um sorriso sincero vindo de lembranças nostálgicas. Poeta eu? Não tanto, apenas um homem romântico que sobrevive graças às palavras.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

O Pianista

A história incrível do pianista Wladislaw Szpilman deve ser conhecida por tantos através do filme O Pianista que veio a ser lançado em 2002, foi esplendido o seu impacto devido aos fatos mostrados, essa adaptação rendeu sete indicações ao Oscar. Levou três delas, incluindo o de Melhor Roteiro Adaptado.

O que me levou a ler o livro foi sim ter visto o filme, e não estou aqui para colocar os dois em um embate sem sentido, afinal são plataformas diferentes e cada um cumpriu de forma inigualável o seu papel. Mas, agradeço ao filme por abrir as portas para me ver frente às “palavras” do Pianista, judeu que viveu – se é que se pode chamar de viver – na Polônia durante a Segunda Guerra Mundial.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Ele Faz Arco-Íris

Um homem capaz de criar o Arco-Íris com o intuito de desligar a mente mesmo que momentaneamente das tarefas diárias deve ser respeitado; seu nome é Michael Jones McKean. Aos 34 anos, o professor da Universidade Virginia Commonwealth, nos Estados Unidos, aprimorou sua técnica que vinha sendo trabalhada ao longo de aproximadamente uma década.


[O arco-íris de McKean]


domingo, 12 de junho de 2011

Scliar, O Final

DCcast 1º - Sobre Moacyr Scliar

Como era de se esperar tivemos atraso em encerrar essa tarefa, mas espero que valha a pena para os demais, como para nós foi valioso. – Ao menos nos divertimos. – No mês passado falamos do grande escritor Moacyr Scliar, e para encerrar esse especial traremos duas novidades. Sendo elas:

sábado, 11 de junho de 2011

De Coadjuvante ao Estrelato

O problema de não ser prodígio é ver que pessoas mais novas que você tem facilidade igual ou maior para executar a mesma tarefa. Quando nos juntamos com esses jovens talentos passamos a ser meros coadjuvantes, e às vezes somos tratados com se escorássemos neles para aparecer.

Olhem para o Depois das Curvas e me digam o que veem, senão um “Light” que vive a sombra do que são os outros. Além de ser o mais novo, Lord tem tempo, é talentoso e pode brincar com suas idéias. O que não o faz menos preguiçoso e moderadamente um troll. O que ele carece, aliás, todos carecemos é de feedback, seja com um soco na cara, – critica destrutiva. – Ou, com doces e guloseimas. – Palavras de incentivo. – O que importa mesmo é receber o comentário, imagina o que serias das estralas que não tem seu nome falado. Os coadjuvantes então, só rindo mesmo, bando de iludidos que sonham em chegar a ser estrela e ter brilho próprio.

terça-feira, 7 de junho de 2011

ANIVERSÁRIO DC


A exatamente dois dias atrás, no dia 05/06/2011 o Depois das Curvas  completou um ano de existência. Muita coisa rolou desde o ano passado, quando eu e o Light decidimos criar o blog, chamamos o Duque e assim fomos levando todo esse tempo. Foram posts e mais posts, épocas de nenhum post, férias antecipadas, mudanças, tentativas de coberturas fails total e projetos parados atrás de projetos parados, mas resistimos e aqui estamos.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Sistema do Caos - I

                - Não é que eu não goste da sociedade, simplesmente acho que ficou deturpada demais  - ele disse.
                - Mas isso lhe dá o direito de tirar a vida de alguém? É essa sua desculpa?

                - ... eu não sou um herói, não sou justo. Não me venha falar de justiça em tempos como esse . Tudo o que acreditamos  um dia, todas aquelas regras não existem mais, acorde para o presente. Não faço isso para melhorar o mundo, faço porque ninguém mais irá faze, faço por mim.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Sherlock Holmes – O Filme


Quem nunca sonhou em ser detetive? Não sei se todos já tiveram esse sonho, mas eu em particular sempre quis descobrir como alguns dos crimes mais comentados da história foram realizados. Sonhar como seria descobrir quem era o mentor de tais crimes era algo emocionante para mim, ficava horas imaginando o desfecho de toda a situação como se tudo fosse muito fácil. Imaginação de criança voa tão longe que hoje em dia se pararmos para pensar no tanto de coisa que imaginávamos quando menor acho que nem dá para listar. Essa de ser detetive era só uma das minhas imaginações, que se foi há muito tempo, porém ao assistir um filme me vieram à mente novamente todos esses pensamentos.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte VIII

A Guerra no Bom Fim - Moacyr Scliar

Um livro pequeno em páginas, mas grande em aprendizado, é assim que “A Guerra no Bom Fim” foi, em especial. Fui cativado pela forma simples que Moacyr Scliar escreveu tal história. Fiquei pasmo de felicidade ao ler e vê a forma com que ele consegue descrever o ambiente, isso me levou a imaginar como era o Bom Fim a que ele se referia, em algumas partes da história até me sentia como um personagem da mesma.

Moacyr Scliar – Parte VII

            Olá amigos, mais uma vez estamos aqui para trazer um pouco mais a vocês sobre o nosso escritor do mês, Moacyr Scliar. O vídeo que você irá conferir abaixo é do programa Entrelinhas, da TV Cultura. No programa ele fala um pouco sobre a forte influência da religião em seus livros e explica como surgiu a idéia deles. 
            Agora vamos lá, chega de papo e vamos ao vídeo.


quarta-feira, 18 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte VI

Hoje temos a leitura de Milton e o Concorrente, um breve conto de Moacyr Scliar. No voz do próprio autor fica o convite a ouvir e entender o que esse simples conto proporciona para nós nos dias de hoje, um convite a ir mais fundo no que ele quis dizer em cada ponto de sua narrativa.



domingo, 15 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte V

 Centauro no Jardim – Moacyr Scliar



“[...] Moacyr Scliar constrói uma narrativa a um só tempo realista e fantástica, na qual o drama vivido pelo centauro-protagonista reflete, em última instância, a busca do ser humano por sua verdadeira natureza e a luta do sujeito moderno contra a alienação.”


Essa é apenas uma parte da sinopse dessa obra literária maravilhosa, criada pelo já (e infelizmente) falecido Moacyr Scliar. Confesso com vergonha, que não conhecia nada da obra do Scliar, que ele só se fez presente para mim quando foi noticiada a morte dele e mesmo assim meu interesse por sua obra foi despertado apenas quando assistindo a um bate papo com Luis Fernando Veríssimo, ele fala que foi amigo íntimo do Scliar. Acredito que muitos não conhecem seus livros, mesmo que muitos deles sejam mundialmente famosos. Quisera eu ter conhecido e buscado mais para poder aproveitar mais dele, quando ainda presente entre nós.
 

sexta-feira, 13 de maio de 2011

A Menina que Roubava Livros

Antes de comprar o livro de Zusak não li nenhuma resenha; não procurei saber o que ele narrava. Talvez esse tenha sido o grande lance da história, afinal o livro não te proporciona uma sinopse apenas convida a leitura “Quando a Morte conta uma história você deve parar para ler.” Demorei-me a adquirir o meu exemplar, mas quando o fiz, prontamente larguei o que estava lendo, páginas depois me descobrir perdido entre os destroços causados por um ataque aéreo durante a madrugada. Sim, eu estava a caminho da Segunda Guerra Mundial, nas palavras da Morte, a narradora.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte IV

Mais uma vez estamos aqui para falar de Moacyr Scliar. Abaixo segue um trecho de uma bela entrevista que Scliar concedeu a Ademir Pascale, editor do Portal Cranik. Nessa entrevista ele fala sobre algumas de suas obras, sobre sua profissão de Médico, sobre o documentário de sua vida e também comenta do filme “Sonhos Tropicais” baseado em uma de suas obras.

domingo, 8 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte III

O Ciclo das Águas


            Antes da morte de Scliar tive o prazer de escrever sobre sua obra “Minha Mãe Não Dorme Enquanto Eu Não Chegar Em Casa”. Naquela ocasião refletia sobre o meu primeiro contato com ele, que ocorreu em 2006 por indicação de uma jovem senhora bibliotecária. Após ler essa obra agradeci muitíssimo, pois aprendi muitas coisas em seus temas cotidianos em forma de crônica. Segundo Fernando Sabino, crônica nada mais é do que aquilo que chamamos de crônica. Agora fica o convite para você mergulhar nessa resenha e após devorar O Ciclo das Águas. – Pensei em uma piada, beber o... mas deixa pra lá.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte II

            Voltamos mais uma vez pessoal, trazendo mais uma etapa do especial Moacyr Scliar. No vídeo vocês poderão conferir uma pequena entrevista realizada pela Saraiva Conteúdo com o escritor, falando sobre a literatura, a ABL, a relação dele com a medicina, o judaísmo e outros elementos que faziam parte do cotidiano do escritor. Confiram abaixo.

 

domingo, 1 de maio de 2011

Moacyr Scliar – Parte I


O mês de Maio é mais do que especial para nós do Depois das Curvas, tanto pra gente quanto para vocês leitores. Foram alguns meses, mais necessariamente dois meses, trabalhando para que tudo ocorresse da melhor maneira possível e também para que tudo venha agradar a todos.


sábado, 30 de abril de 2011

Nunca Desista de seus sonhos



Atualmente, ou ao longo da nossa vida, nos vemos em situações em que desistir parece ser a única saída, tentar continuar o que começamos já não vale mais a pena. Mas será que devemos parar na primeira dificuldade? Muitos responderiam que sim, inclusive eu, porém SIM não é a resposta correta a se dizer em situações que podemos continuar e devemos; tudo bem que nada nessa vida é fácil, portanto nós seres humanos temos a capacidade de transforma o difícil em algo bem menos complicado digamos assim. Imagine se todos os grandes da história tivessem desistido na primeira, com certeza não teríamos muitas das coisas que temos hoje.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

As cotas raciais - Solução baseada na falsa compaixão


Nota: Esse artigo foi escrito pelo Nivaldo Elias Murad, engenheiro e professor e foi publicado no jornal O tempo faz muito tempo.

                Fui professor em escolas de engenharia federais e estaduais durante 34 anos. Fui, também, diretor de vários projetos industriais na área de automação. Com essa experiência na área técnica, mas também com os relacionamentos humanos, sinto-me confortável para emitir minha opinião sobre a tentativa de se impor ao nosso país o sistema de cotas raciais, a mais recente e demagógica banderia da esquerda.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Inspiração a Dois



Folhas rabiscadas espalhadas pelo chão, algumas lapiseiras e canetas realçavam a bagunça, para finalizar, uma xícara de café frio. Acolhido pelo chão apoiava minha costa no sofá, no meu colo estava o meu violão, velho companheiro de guerra. Já rimei tanta bobagem sobre o amor, sobre tudo e nada; ele sempre vinha transformando as rimas em baladas. Protestos ou choro de tristeza não tinham lugar nas minhas músicas. Não que tudo estivesse bem, mas aquele momento era o de sonhar.

sábado, 16 de abril de 2011

Before a Sunrise & Before a Sunset

            
            É mais uma sexta feira (its Friday, Friday,) e ela traz consigo o sábado e o domingo, dias que geralmente tiramos para assistir algum filme ou sair e coisas do tipo, ou simplismente fazemos o que fazemos a semana inteira, ficamos entediados. Mas também, é dia de recomendação no DC (happy face), e eu fiquei incumbido de falar sobre algo.  Sem idéias sobre o que falar, pedi ajuda entre cd, filme ou livro (que é o de praxe por aqui) e a minha amiga Bruna ( @bisforbruna ) deu preferência por cd. Sendo assim, para todos e especialmente para ela (espero que ela leia haha), vou falar sobre o cd que na verdade é a trilha sonora de dois filmes que gosto muito: Before a Sunset e Before a Sunrise (Antes do amanhecer e Antes do pôr do sol).

domingo, 10 de abril de 2011

Insanidades da vida


Você morreu, e grande parte não vai ligar, a não ser parentes, amigos e se sua morte foi em um grande desastre talvez algumas pessoas depois de assistir na tv.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Pensamentos Difusos

Meu caminho passa pelos seus olhos e se perdem um pouco adiante. Nas noites frias, os pensamentos flutuam, a vontade de pensar perdida em meio ao ar. Tudo preso, tudo solto... Falas ao vento e um silêncio repentino. Satisfeito por estar assim, embriagado a sorrir. Por algum motivo desconhecido, ou, por você meu mau caminho.
A imensidão, a profunda escuridão, um Martini Seco e uma folha limpa. Coisas diferentes, todas sem sentido e dentro de mim surge um alívio. Um carro do ano, aquecimento global, o fim do mundo impresso nos jornais. Coisas diferentes, todas sem sentido e dentro de mim surge um abismo.
Sonhos que não realizei que se findaram em uma época remota. Trazendo um deserto onde havia esperança. Sentimento possivelmente perdido, mas nunca deixado lembrado até sempre, esquecendo eternamente.

Nota: Esse post é de autoria do Light (@lightwillian) que não pode postar por que o mesmo continua com problemas de conexão.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Palavras

               Thiago é um jovem professor de Biologia, desde cedo só uma coisa o encantava mais do que os seres vivos, as palavras. Era incrível como ele prestava a atenção nas palavras, era um bom ouvinte. Conseguia sentir a vibração das frases soltas. Quando criança várias vezes viu um choro se transformar em riso, por qualquer frase dita. Também viu o inverso.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Yes Man

Se fossemos parar para pensar em nossas decisões tentaríamos dizer SIM a tudo e todos, ou não. Sempre que nos aparece alguma oportunidade, às vezes desperdiçamos de tal maneira que nos arrependemos depois, isso é o que mais ocorre conosco. Seja essa oportunidade uma festa ou uma saída com os amigos, oportunidades essas que às vezes não voltam. Será que seríamos capazes de dizer SIM para tudo? Às vezes me pergunto isso, e passei a me questionar mais depois de assistir o filme: Sim Senhor.

terça-feira, 29 de março de 2011

O Trabalho e a Exploração

Às vezes escravidão, nas muitas outras uma luta incansável para a realização de sonhos, que os pais não podem bancar. Estudar e brincar passam a ser segundo plano, quando muito. Em alguns casos, são tratadas como se transmitissem uma doença mortal; poucos são os que se humanizam e vêem na causa dessas crianças nobreza e dignidade. Assim são tratadas cerca de 4 milhões e 800 mil crianças.

sábado, 26 de março de 2011

Apenas o fim

E os dois estavam frente a frente, talvez pela última vez. No rosto dele uma expressão cansada, marcada pelo tempo e por decepções. Havia um olhar de medo, insegurança, incerteza do que aconteceria depois que tudo aquilo terminasse. Ela se virou para encarar ele mais uma vez, seus olhos marejados, mesmo depois de tanta conversa, de tantas explicações não era fácil se despedir. Não sabia ao certo o que estaria por vir também, ela buscava pelo que nem mesmo conhecia e mesmo tendo ensaiado tando aquele momento na sua cabeça, em frente ao espelho não era fácil se despedir de quem um dia lhe contou histórias até adormecer.

terça-feira, 22 de março de 2011

Estranho no “paraíso”

Nota: Não tem nada a ver com o seriado O.C Um Estranho no Paraíso
Hoje em dia nossa sociedade se deturpou de tal forma que está muito difícil entender o que as pessoas dizem ser “um paraíso”. Se olharmos bem á nossa volta veremos que jovens e adultos se divertem e fazem do espaço ocupado o seu “paraíso”. Colando a minha cabeça para funcionar um pouco, pude perceber que nos dias de hoje a palavra “paraíso” saiu um pouco do contexto da mesma, sendo que olhei por uma definição de dicionário. Mas não quero fazer uma comparação entre uma definição de dicionário e as definições da sociedade.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Romance

Que o cinema brasileiro ganhou corpo nos últimos anos é fato, e devido à explosão do fenômeno Tropa de Elite, outros ganharam mais visibilidade. Quando rebobinamos a fita e nos lançamos ao ano de 2008, vemos que antes já havia algo incrível seu nome: Romance, onde Wagner Moura e Letícia Sabatella contracenam.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Sobre o tempo

Com um monte de textos para terminar, sempre me pego tentando escrever algo novo. Quase nunca gosto do que sai, mas você sabe como é, publicamos pra ver no que dá. Sobre o que falar é a segunda dúvida (a primeira é se devo insistir), acaba que sempre falo de como a juventude é uma merda, de como o sistema te fode – você nunca morrerá virgem- como é foda tentar manter os princípios e essas coisas. Talvez eu pudesse falar de algum filme ou algum livro. Pensei em falar sobre algum disco de blues ou jazz, mas decidi falar sobre o tempo.

domingo, 13 de março de 2011

Iceberg



O resultado do que somos é tão desastroso, vemos claramente o declívio da curva em meio o caminho da nossa raça. Não irei longe e me prolongar no que diz respeito à morte do planeta, o convite fica para o olhar mais perto, sejamos mais próximos e enxerguemos a base desse nosso imenso iceberg.


quinta-feira, 10 de março de 2011

Divagando sobre o amor

Era uma tarde terrivelmente ensolarada, ao fundo rolava o som maravilhoso de John Lee Hooker. Sempre acreditei no poder que a música tem, era como se ela estivesse falando comigo, me encorajando a escrever sobre um assunto tão denso, que por mais que você escreva ainda não terá dito tudo sobre ele. Alguns acredita que se demonstra através de atitudes, outros defendem o poder que as palavras tem  para descrevê-lo, e eu no meio disso tudo, bem, eu escrevo aquilo que acredito ser real nisso.


sábado, 5 de março de 2011

Eric Clapton - Timepieces

           Já faz duas semanas desde nossa última recomendação por aqui. Já foram duas, primeiro um filme, Seabiscuit foi o pontapé inicial concedido por mim. Logo depois Light nos presenteou com a dica de um belo livro, “Os olhos do dragão” de Sthepen King foi a dica de leitura dele. Em meio a isso cai em um dilema, teria mais inúmeros filmes para citar, livros também (talvez até o final da postagem me arrependa de não ter indicado o último livro que li), mas resolvi falar de música, um tema amplo e complicado.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Fevereiro de 2007

Não tenho certeza, apenas acho que era fevereiro de 2007, julgando pelo clima intenso do sol. Levo em consideração também, o calor ainda presente na noite. Noite que se demorava exata uma hora a mais, por efeito do horário de verão. O céu claro vinha se escurecendo naturalmente, com tons avermelhados. Era incrível a coloração, talvez ela estivesse sempre ali e eu não a notasse, quem sabe estive ocupado demais para me deslumbrar com o crepúsculo.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O olhar pra trás

Respirei fundo e olhei a minha volta, calada, a procura de algo que compensasse todo o esforço que tive ultimamente. Não me lembro qual foi à última vez que tive tempo para tal regalia, mas lembro-me, de que quando eu era bem pequena gostava de fazer planos para o futuro, falava sobre as mil coisas que faria quando me tornar-se uma mulher adulta. Recordo-me bem, porém, por muito tempo me esqueci e aqui estou.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Sobre a geração, a desinformação e outras viagens

Recomeçar, mudar, são palavras usadas frequentemente no nosso cotidiano. Temos nosso futuro na nossa mão, mas temos medo de seguir. “Nos caímos Bruce, por que caímos?”. Se caímos e levantamos existe em nós o poder de mudar, de modificar as coisas que nos cercam. Mas por que não mudamos? Por que nos rendemos ao tédio de todos os dias? Por que nos entregamos tão fácil? Já parou pra pensar sobre isso? Em um momento non sense eu resolvi escrever sobre isso.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Os Olhos do Dragão

Nada como falar do Mestre Stephen King na primeira participação minha no Outras Frequências. Quem conhece suas obras sabe bem do que ele é capaz, e você que não conhece seus inúmeros livros, talvez tenha visto algum filme que saiu de suas obras, como é o premiado “A Espera de um Milagre”, ou o impressionante “O Iluminado”, dentre outras obras magníficas. Vale lembrar que para os fãs da Meyer, ele King, é um péssimo escritor e tem inveja da criação da Saga Crepúsculo, por não conseguir fazer nada nem se quer parecido.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ninguém


Somos plural e singular, temos nossas diferenças e indiferenças. Olhando bem, seria repugnante se fossemos iguais, olharíamos o mover do rio e pensaríamos a mesma coisa, leríamos um texto e teríamos a mesma visão, uma coisa nunca seria enxergada com duas. Conviver com pessoas distintas, de fato, é melhor do que enfrentar um espelho. Ser copiado em tudo, em horas desprezíveis e em momentos únicos. Por outro lado, assumiríamos nossas chatices. O bem, nesse caso, não compensaria o mal.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Guerras e as Palavras

O mundo parece em paz em vista de tempos não tão remotos. É certo que não vemos bombardeios em grande escala, nada de milhares de pessoas mortas por causa da explosão de uma única bomba, nada de consequências para a vida toda. - Câncer, e outras doenças causadas pela radiação. - Existem lugares com conflitos militares, carros-bombas homens-bombas, e tantos outros se detonando por aí. O motivo... Bem, acredito que seja trazer a paz. Acabar com o mal. Vingança. Motivos Religiosos, o que for, não fica bem explicado. Nem precisamos ir longe, afinal vimos a pouco a chamada “Guerra” no Rio de Janeiro. Entretanto, é como eu já dizia, são menores e não menos valiosos, mas no tudo o mundo parece em paz.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Ódio, Vingança e Coração Partido


Nem sempre o que planejamos sai do jeito que queremos. Às vezes nos machucamos e pensamos que ninguém poderá nos fazer feliz e tudo que formos fazer não dará em absolutamente nada. Quando essas coisas ocorrem entramos no que chamam de “Crise Existencial”, algo que só quem já passou sabe como é horrível, ainda mais quando tal coisa ocorre devido a termos nossos sentimentos machucados e muitas das vezes dilacerados por pessoas inescrupulosas e totalmente sem coração.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Campus Party 2011 - #cpbr4



Dos dias 17 a 23 de janeiro, rolou a Campus Party Brasil 2011. Este que pode ser conciderado o maior evento de tecnologia e maior concentração nerd no Brasil. A Campus Party foi criada na Espanha em 1997, e tem edições anuais em países como Brasil, Colômbia e México. Esta foi a quarta edição do evento no Brasil e contou com cerca de 6500 pessoas. Se tem um lugar que gostaria de ter ido nessas férias, este era o lugar. Infelizmente não fui #EPIC FAIL.